domingo, 17 de janeiro de 2016

Selkies



Selkies

Uma Selkie. Fonte: Selina Fenech. 
 
                Dentre os muitos seres encantados que abundam na mitologia e nos contos gaélicos, encontramos os adoráveis Selkies, nome que vem de uma da antiga língua inglesa, seolh, que significa ‘foca’. Como seu nome sugere, são focas encantadas que tem a habilidade de se transformarem em humanos quando retiram suas peles encantadas, e podem voltar para o mar onde se transformarão novamente em focas enquanto mantiverem suas peles seguras, sem que ninguém as roube. Essas criaturas pertencem ao folclore da Irlanda, Escócia e Ilhas Feroé (cujo povo é uma mistura de nórdicos e gaélicos), mas parece-me que a origem das lendas sobre esses seres é nórdica, por dois motivos: primeiro pela etimologia do seu nome que vem do inglês antigo, e depois que, os lugares onde mais abundam as lendas e relatos sobre essas criaturas são as áreas escocesas que tiveram uma forte influência nórdica – Orkney e Shetland.

 

Quando tem suas peles roubadas, ficam nas praias olhando saudosamente para o oceano. Fonte: Mythopedia

                Como já explicado, as Selkies são criaturas mágicas que ora tem a forma de uma foca, ora tem a forma humana. Todas as lendas falam delas como criaturas extraordinariamente belas, tanto as mulheres como os homens. Eles podem se transformar em humanos em determinadas épocas do ano, mas ninguém sabe ao certo qual a época específica. Quando estão em terra, elas mantêm próximas suas peles para que ninguém as roube, caso contrário, nunca poderão voltar para o mar novamente, pois somente através dessas peles é que elas são capazes de se transformarem novamente em focas. Normalmente, elas ficam em rochas secas próximas ao mar, tomando sol com suas peles do seu lado – no menor sinal de alarme, elas vestem suas peles e pulam agilmente no mar; se algum deles perderem sua pele, a Selkie segue o ladrão para recuperar sua pele, lamentando tristemente. Todas as histórias das Selkies são “românticas” e trágicas, e a fórmula parece ser basicamente a mesma: um homem rouba a pele de uma donzela Selkie distraída, leva para casa forçando-a se casar com ele, eles tem filhos e vivem felizes por alguns anos, mas depois de um tempo, a donzela encontra sua pele e volta novamente para o mar, abandonando o marido e seus filhos, embora possa fazer visitas de vez em quando somente aos filhos, deixando-lhes presentes. Embora a maior parte das histórias retrate donzelas Selkies, os homens Selkies também protagonizam algumas histórias, onde aparecem para mulheres casadas que tem um casamento infeliz; são descritos também sendo muito galantes e namoradeiros, além é claro, de extremamente belos. Todas elas possuem cabelos e olhos castanho-escuros, e os filhos dessas uniões entre focas e humanos possuem essas mesmas características, embora não possam se transformar em focas como seus pais/mães. 

Um menino Selkie. Autor: Mapvee

                Há um conto folclórico escocês que chamam as Selkies de “damas da onda”, sendo descritas como mulheres de cabelo bronze, e quando estão em terra, usam um vestido azul e são as mulheres mais bonitas da terra. Na história, um jovem proprietário de terras está caminhando pela praia quando é então atraído para as vozes e risos delas, e vê as mulheres mais bonitas do mundo. Enquanto elas estavam distraídas, ele correu até onde a pele delas estavam, pegou uma e fugiu com ela. Quando as donzelas viram isso, todas pegaram suas peles apavoradas e voltaram para um mar, exceto uma delas que não podia mais voltar. A donzela segue o homem, que escondeu sua pele em um baú na sua casa, e implora para devolver sua pele, mas o homem a força a ficar e casar-se com ele. A dama concede, e vivem felizes por sete anos, e tiveram três filhos; mas em um dia, o proprietário de terras precisou viajar a negócios e deixou a donzela sozinha em casa com seus filhos. Em uma noite, quando a donzela olhava saudosamente para o mar, um de seus filhos foi até ela e lhe entregou uma chave que disse ter achado e que pertencia ao seu pai – ela pega a chave e abre o baú, onde descobre sua pele escondida. Imediatamente ela volta para o mar, para suas irmãs, e abandona o marido e seus filhos. Quando o homem chegou em casa e viu o baú aberto, sabia então que nunca mais veria a dama da onda. Ela, no entanto, frequentemente visitava seus filhos e deixava presentes de peixes para eles, e o pai dizia: “Vejam, filhos, sua mãe não esquece de vocês.”